A cura pela comida

Amigos, sobrevivi. Passei incólume por esse período difícil em que foi estar longe das conversas, das piadas, longe de vocês.

Não sei quanto tempo durou, mas pareceu uma eternidade. Ainda assim, depois de um tempo, estou aqui, firme e forte. Ainda mais pra mim, que sempre fiz o tipo coma-tudo-que-puder.

Agora que chegou ao fim o Master Chef BR, termina também a minha tortura. Posso dizer que estou curada: não sofro mais de FOMO, ou Fear Of Missing Out. Perdi cada um dos momentos que vocês viveram ao lado de uns donos de restaurantes, uma chinesa fofa que aparentemente não quer ser fofa e um cara para quem parece que todo mundo estava torcendo.

A coisa toda aconteceu sem que eu percebesse. De repente, vocês todos estavam envolvidos demais. Até o Danilo, que nunca preparou nada mais elaborado que Sucrilhos tinha seu candidato favorito. Quando foi que vocês combinaram essa festa da comida sem mim? Onde eu estava que não senti o cheirinho de alho e popularidade no ar?

Perdi a Ana Paula Padrão, os posts do Buzzfeed e as piadas que vocês postaram. Não entendi suas referências e nem soube porque vocês ficarão tão encantando com a cobertura de social media na TV. Talvez vocês estejam fartos, talvez não.

Fato é que eu fiquei de fora do banquete fenômeno que tomou conta da internet e não entendi uma puta de uma piada. Mas sobrevivi. Acho que estou curada. Sei lá eu que diabos tinha nessa comida que deixou vocês viciados assim, mas foi nela que encontrei meu remédio.

Perdi o sabor da experiência, e a primeira vez que a TV aberta preferiu anunciar no Twitter do que ao vivo. Perdi a janta, mas degustei outras coisas. E ao descobrir que acontece uma tão esperada final, eu aproveito minha liberdade.

Enquanto vocês se debruçam na TV, preparo esse prato de alívio, acompanhado com tenros pedaços de tempo livre, com um fundo suave de desdém.

Blog é bem old fashion. Tem rede de boomer, rede de millennial, rede de Z. Haja rede pra tanta conversa.